COMENTÁRIOS

Convidamos os visitantes a postar seus comentários, que serão publicados desde que o autor se identifique.
Bom apetite, antropófagos!

Salvador, Pindorama, ano 456 da deglutição do Bispo Sardinha.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Texto apresentado por Oswald no Primeiro Congresso Brasileiro de Filosofia

UM ASPECTO ANTROPOFÁGICO DA CULTURA BRASILEIRA: O HOMEM CORDIAL (1950)

Pode-se chamar de alteridade ao sentimento do outro, isto é, de ver-se o outro em si (...) A alteridade é no Brasil um dos sinais remanescentes da cultura matriarcal. (141)

“Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo – ela pode exprimir-se em mandamentos e em sentenças. Nossa forma ordinária de convívio social é , no fundo, justamente o contrário da polidez”. (Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, cap. V)

O “Homem cordial” tem no entanto dentro de si a sua própria oposição. “Ele sabe ser cordial como sabe ser feroz” (...) No contraponto agressividade – cordialidade, se define o primitivo em Weltanschauung (...) Compreende a vida como devoração e a simboliza no rito antropofágico, que é comunhão. (143)

5 comentários:

  1. Concordo com o Sergio,das nossas relações cotidianas os afetos e desafetos me parecem ser uma nossas principais caracteristicas para norteamento da vida,é a cordialidade que da carona a um colega, é a mesma que propõe contratos de trabalho baseado na indicação(pistolão),é a mesma que chama de estrangeiro de "Meu rei",é a do jeitinho brasileiro de furar fila na xerox reconhecendo o amigo oportuno,que entende o publico e o privado como uma trança,não os separa,(o interresse publico e o interresse pessoal geralmente se confundem principalmente na politica brasileira),diferente do que me parece o homen europeu que anda com um código de ética debaixo do sovaco. Somos diferentes isso é fato,somos cordiais isso é foto,somos a fotografia da diversidade planetaria.

    Gabriel ormuz Machado -

    ResponderExcluir
  2. O homem cordial é o homem visceral - movido pelos instintos do coração. É aquele que aceita ser amado ou odiado, mas nunca esquecido. Falem mal, mas falem de mim, já diz o ditado. É o homem brasileiro! "O brasileiro é capaz de guerrear e até mesmo destruir; no entanto, suas razões animosas serão sempre cordiais, ou seja, emocionais". Quer algo mais antropofágico que isso?

    ResponderExcluir
  3. A cordialidade lembra tolerância, tratamento gentil, hospitalidade, generosidade... são interprestados como marca do brasileiro. Mas na verdade o cordial vem do que é movido pelos instintos do coração. Homem visceral. Sem formalidades. Aquele que prioriza o afetivo, as relações pessoais em favor de seus interesses e questões...cordiais ou ferozes.

    ResponderExcluir
  4. gerson garibalde21 de maio de 2010 22:42

    n sei comentar nada sobre esse, mas gostei muito dessa forma de pensar do oswald, penso algumas vezes linhas de pensamentos parecida com essa???

    ps: n precisa aceitar esse comentàrio,
    flw

    ResponderExcluir
  5. Quando se fala em convívio social, é necessário que os indivíduos que compõe uma sociedade, possuam um discernimento a respeito do que é igualdade social, bem como os deveres e direitos de cada cidadão dentro dessa sociedade.
    Muitas vezes, as pessoas acham que são superioras as outras, numa idéia eurocêntrica do seu eu. Porém, é preciso que esses indivíduos que agem dessa forma percebam a necessidade de ver que outro, possui valores que devem ser respeitados e garantidos.
    Muitos indivíduos que compõe à sociedade de modo geral, só tratam bem o seu semelhante, quando conseguem satisfazer os seus próprios desejos pessoais, nesses momentos, essas pessoas têm uma postura cordial e amiga, entretanto, quando percebe que seus objetivos não são atingidos, elas se modificam drasticamente, passando agir de maneira agressiva, querendo passar por cima dos direitos de outros cidadãos, sem pudor, ética e respeito pelo seu semelhante

    Paulo Roberto S. Menezes BI Humanidades (Noturno)

    ResponderExcluir

Deixe sua mensagem, que ela será avaliada para publicação, desde que assinada pelo autor. Abraço, Ivan.